quarta-feira, 1 de abril de 2009

A culpa é da mãe!


Toda garotinha tem o seu amor platônico na infância.

Enquanto você constrói o seu castelinho de areia, ele brinca no escorregador com os outros meninos.

Ele é o cowboy, o ninja, o jiraia, o homem-aranha, sei lá. E você é apenas a princesa – isso já basta - com aqueles laços imensos repartindo o seu cabelo em dois rabos de cavalo, e está feliz da vida edificando o seu “lar”: um palácio no parquinho.

Daí, o seu “príncipe” se aproxima com toda aquela elegância de um lord inglês, e destrói a sua obra de arte, pisa, chuta e ainda a chama de cara de alguma coisa, cara de pudim, de picolé, enfim, uma denominação muito sensível.

Você chora. Deixa o seu baldinho amarelo e todo o kit de construção para trás e corre para os braços da mãe. Espera aí, pára tudo, é aí que começa. A culpa é da nossa mãe!!!

Vou explicar. Aos soluços, a cinderela conta os detalhes do seu reino encantado pisoteado pelo príncipe desencantado. E sabe o que a mãe responde?! “Filhinha, os garotos fazem isso para chamar a atenção. Ele gosta de você. Não chore não”. Está vendo? Aprendemos a dar desculpas esfarrapadas – para nós mesmas - desde que somos criancinhas.




ELE NÃO ESTÁ TÃO A FIM DE VOCÊ

Ontem fui ao cinema com a turma da Luluzinha assistir “Ele não está tão a fim de você”. Muito bom. Melhor que o livro que é um best seller muito chato. Realmente o filme me surpreendeu.

O melhor de tudo, além do filme, da pipoca e das amigas, foi o público. Imagina aquela mulherada unida, fazendo comentários, dando gargalhadas. Cada uma com uma história diferente. Mas no fundo, no fundo, todas estão saindo com o “mesmo cara” e inventando desculpas para prolongar um pouco mais os dias solitários que insistem em dar o ar da graça.

Conto nos dedos quantas mulheres maravilhosas (kit completo: inteligente, independente e linda) já se meteram em relacionamentos idiotas. Perderam tempo com o Nunca-Lembra-de-Telefonar, o Zezinho-Inseguro-que-dá-Xilique, o Gaspar-que-Desaparece-como-um-Fantasma-Camarada e o Desperdiçador-de-Tempo.

Chega de cansar a beleza. Chega de dar desculpas. Faça o imbecil desaparecer da sua vida. É certo que os “disponíveis” – saudáveis mentalmente – são pouquíssimos e deveriam ser considerados lendas urbanas. Mas preste atenção aos sinais: vai chegar o momento que você será a exceção para alguém.

Mas encare os fatos. Acorde para a vida! Não fique argumentando, dando desculpas, ou consultando as amigas. Se o cara demonstrou alguns sinais e você chegou ao ponto de querer analisá-lo, chega de perder tempo, “Ele não está tão a fim de você”.

Não espere que ele chegue gentilmente e lhe diga que não está mais aí. Eles preferem perder um braço, ser atropelado por um trator, um elefante daqueles bem papagaiados lá da Índia, do que dizer “não estou a fim de você”.

Então, preste atenção nos sinais. Se ele não te ligar, você já tem a resposta. Dê no pé, fuja, corra igual a uma maratonista e pare de inventar desculpas.

Se o cara não está a fim. Liberte-se e trate de encontrar algum que esteja!


imagens: imagemshak e geltyimages

2 comentários:

Salomao disse...

Tem que ligar é?!

Sandra disse...

Ha ha haaaaa...
Era tudo que eu precisava ler hj,
dia 08/04 às 2:03 hs da madrugada.

Carollll... falei pra ti esses dias...
Vc sempre posta textos que tem
algo a ver comigo...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk