sexta-feira, 20 de março de 2009

As separações tinham que vir com Aviso Prévio


Como afirma a escritora Martha Medeiros, não existe separação sincronizada. Quem é dispensado carrega a mágoa de não ter sido consultado, de não ter tido a delicadeza de um aviso prévio, e pior, de ver-se frente a frente com um destino que lhe foi imposto. Você não escolheu aquele caminho. O acaso decidiu. Mesmo não havendo mais amor ou qualquer tipo de sentimento, o orgulho sempre fica machucado.

É uma dor dividida: os dois lados sofrem com as saudades e frustrações. Mas o dono das rédeas - o que teve coragem de deter a carruagem no meio do caminho -, tem sua dor diluída pois à ele foi conferida o poder da decisão. A combinação é cada um ir para o seu lado, mas apenas um consegue partir. O outro fica ali, parado, procurando entender a distância que as palavras podem provocar.

E aí? Qual a solução? Segundo a escritora, o faro fino e a rapidez seriam a melhor forma. O cara diz: preciso falar com você, e você responde: sem problema, pode ficar com as crianças duas vezes por semana. Ele diz: tenho o maior carinho por você, mas...e você emenda: eu entendo, eu também me apaixonei por outra pessoa. Isso é que é diálogo de primeiro mundo, não aquele duelo de gaguejos, acusações e histerismo.

Já sabe: se hoje à noite ele vier com um papo do tipo: olha, eu queria...nem deixe o safado continuar. Encerre você o assunto: pode ficar com os discos do Foo Fighters, mas o videogame (play station) é meu.

Prevenção nunca é demais. Talvez ele queira apenas convidá-la para jantar, mas vá saber!


VÍDEO: Foo Fighters - Everlong: http://www.youtube.com/watch?v=4H0BMfqFP9c

imagem: http://almondegapensante.blogs.sapo.pt/arquivo/separacao.jpg

Um comentário:

Leila Jinkings disse...

Muitíssimo interessante ettexto, Carolina. Parabéns!
bj

também ando tentando manter um blog:
http://leilajinkings.blogspot.com/