sexta-feira, 10 de julho de 2009

Viva o amor!


Universos distantes. Ritmos totalmente diferentes. Os mundos dos homens e das mulheres parecem sempre estar em conflito: os hábitos, os interesses, as rotinas. Cadê a tal sintonia? Ás vezes, acho que tinha que ser homem com homem e mulher com mulher. Bom, isso já existe! Mas o modelo que foi nos passado é o Adão e Eva mesmo. E além do mais gostamos das diferenças.

O mais engraçado é quando homem e mulher se conhecem e ensaiam a aproximação. A primeira fase é a da espera da ligação. Será que ele vai ligar? Vai. Será que você vai atender? Vai. Depois de contar três toques. Isso porque antes, a mulher já se certificou se o celular está funcionando mesmo ou já tirou o telefone fixo do gancho para verificar se o aparelho está em perfeita forma. Muito engraçado! Mas é assim mesmo.

Às vezes, fico pensando, imaginando a coleção de histórias que tenho na minha “cachola”. Fatos contados (e vivenciados) pelas amigas, amigos, primos, primas e até minhas mesmo. Acabou resultando em textos essas emocionantes experiências. Daí dou risadas sozinha. E depois acho ridículo ficar gargalhando assim sem plateia. Por isso escrevo.

É incrível e é preciso entender sobre as diferenças entre os cromossomos. Assim seremos muito mais felizes. O fato é que a mulher muda toda vida quando conhece alguém: corta o cabelo, compra roupas novas...já o homem continua a rotina. Não modifica nada. Fica de bom humor porque conheceu uma nova mulher sexy e divertida. Mas é só.

Nesta fase do liga e não liga, os dois estão se testando. Ele irá, pelo menos uma vez, deixar de ligar quando disse que ligaria. Ela irá, pelo menos uma vez, ligar para ele. Mas isso na fase dois – pós-ligação dele. E depois de ser encorajada pelas amigas ou pelo álcool. Eita lêlê.

Se as reações são boas os dois caminham então para a fase 3 – que é deliciosa. É a fase da sincronia. Assistir televisão no sofá e comer pizza vira um programão. O problema é que eles acham que isso será programão sempre. E elas acabam enjoando.

Daí eles brigam. Ele vai embora. Ela desespera. Ele liga depois atrás dela. Ela gosta disso e o aceita de novo. Agora, eles são um casal!!!

Confesso que tenho vergonha das mulheres muitas vezes. Como fazemos besteira e exageramos em coisas tão pequenas. E eles são tão práticos. Acrescentei de uns anos para cá algumas características masculinas no meu cotidiano, no meu ser, mas “eles” parecem não gostar muito não. Daí, quando isso acontece, coloco uma dose a mais de feminilidade. Fico um pouco mais dependente...vai entender o que eles querem?

O que importa é que sou muito mais feliz hoje! Aprender com os erros dos outros e os próprios é mesmo uma sensação de redonda inteireza!

E viva o amor!!! Homem com homem ou mulher com mulher.Ou homem e mulher. Viva o amor! “All we need is love”, já dizia John Lennon.

imagem: http://blog.cancaonova.com

Um comentário:

Dute disse...

Ei Carol!!!! Gostei deste seu texto...COm certeza, o viver é o nosso grande mestre!!! E é isso aí, QUE VIVA O AMOR, em todas as suas formas!!! Bjo, Cláudinha